Conectar-se

Esqueci minha senha

Tópicos similares
    Quem está conectado
    1 usuário online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 1 Visitante

    Nenhum

    O recorde de usuários online foi de 12 em Sab Nov 10, 2018 2:40 am
    Últimos assuntos

    A Profecia do Corvo

    Ir em baixo

    A Profecia do Corvo

    Mensagem por Igor em Ter Abr 26, 2011 7:51 pm

    A profecia foi escrita pelo oráculo Alaundo do Forte da Vela1. Venerava o deus Savras. Morreu em 75 C.V., aos 98 anos, no forte.
    Entre as profecias mais conhecidas estão a que previa a vinda do Tempo das Perturbações e sobre a criação das Crias de Bhaal.


    Primeira Parte
    Cópias constantes da biblioteca do Forte da Vela.

    Arrogante esplendor restou-se acima
    Enquanto as terras rachavam e iam.
    Vivendo apenas, porém, um ranzinza,
    Abaixo em morte, volúpia e cinzas.

    Se fores a mim, tristeza sombria,
    Contai-vos com o fim, por luz, por lida.
    Partida, pois fora, agora colhida
    A Estrela dos Magos, ferida e ida.

    Trazido estranho por passado escuro
    Levando à luz um mal desconjuro.

    Milhares de asas ao Sol baterão
    Na Espada, Espada, areia e vão.

    Uma vez atraída a míngua da sina,
    Será uma vez a noite em lamúrio.

    Chorastes agora a Moeda e a Púrpura,
    Quiçá resolvida a vida por luto.


    Segunda Parte
    Trecho perdido em um incêndio provocado por um monge bêbado. Obtido através da memória da dragoa espectral Miirym e transcrito pelo mago Hurin da Companhia Spell pouco tempo depois.


    Triste e ávido o breu na Espada,
    Auril2 aos choros, Istishia3 a embainha.
    Os grilhões, todavia, jaziam abertos,
    Os Antigos, outra vez, soltos, revoltos.

    Porém, uma vez A Estrela roubada,
    Acende e se mescla à irmã e sua filha.
    Tomam caminhos, desconhecidos e loucos,
    Mas as mãos da perda os acolhem em ganância.

    Futilizam e entristecem,
    Traem e dançam.
    A dança da queda,
    Caem e balançam.

    Os Arautos da Aurora4 se encontram:
    Aqueles libertos, atacam, clamam e ecoam atenção,
    Ao Vale Secreto, perdido, caindo.

    Aliados, a sombra e a luz retornam ao eclipse.

    No auge do choro, A Estrela se apaga.
    Mas ainda assim, tristes e gritantes,
    Alguns beberão o que os Grandes verteram.
    Sua benção divina se perdeu por enquanto,
    Levando àqueles da saga o descontento.

    Aliança das Coroas jubilam no tempo,
    Aliando a Dama Gelada em nevasca.
    Guiando a uma tumba, sorrindo em lamento,
    Ao amor de Othea5, outra vez, o descanso.


    1 Do original Candlekeep.
    2 Também conhecida como A Deusa do Frio, Donzela do Gelo, Aurora Congelante. É uma divindade maligna, caprichosa e fútil que é venerada principalmente pelo medo. Sua beleza é fria e mortal, como a essência da feminilidade para sempre aprisionada em um pedaço de gelo ártico.
    3 Também conhecido como O Lorde das Águas, Rei dos Elementais da Água. É um dos quatro primordiais elementais, ao lado de Kossuth (fogo), Grumbar (terra) e Akadi (ar). Ele se preocupa pouco com seus seguidores e é quase previsível em sua incompreensível e estranha imprevisibilidade.
    4 Do original "The Dawn Heralds". São duas estrelas particularmente brilhantes que aparecem próximas ao nascer do sol e logo depois do pôr do sol. São chamadas de Anadia e Coliar.
    5 Othea foi a deusa que se casou com Annam Pai de Todos (Annam All-Father). Deu a luz a 7 filhos que seriam a origem dos titãs e dos gigantes das tempestades, das nuvens, do gelo, de pedra, das colinas e do fogo. Othea se relacionou com Vaprak, que deu origem aos ogros, e também com Ulutiu, dando origem aos gigantes do tipo firbolg, fomorian, verbeeg e voadkyn.



    Última edição por Igor em Qua Abr 27, 2011 2:46 pm, editado 1 vez(es)

    _________________
    "A inconstância no ser: à inconstância, há inconstâncias."
    Igor
    Igor
    Narrador
    Narrador

    Mensagens : 620
    XP : 750
    Reputação : 14
    Data de inscrição : 26/10/2010

    Ver perfil do usuário

    Voltar ao Topo Ir em baixo

    Re: A Profecia do Corvo

    Mensagem por Kio em Ter Abr 26, 2011 9:35 pm

    intelectuais, magos (de verdade) e personagens com inteligência acima de 17, uni-vos! =D
    Kio
    Kio
    Narrador
    Narrador

    Mensagens : 117
    XP : 139
    Reputação : 1
    Data de inscrição : 26/10/2010
    Localização : Multiverso desconhecido

    Ver perfil do usuário http://kionline.blogspot.com

    Voltar ao Topo Ir em baixo

    Re: A Profecia do Corvo

    Mensagem por Igor em Ter Abr 26, 2011 11:26 pm

    Como eu havia prometido, interpretar cada parte corretamente garante uma premiação de 100% do XP para o próximo nível.

    Essa oportunidade não é apenas para os personagens que detêm ou conhecem as escrituras, mas para a mesa toda, ainda que alguns não possam usar a interpretação no jogo =) Não achava justo apenas alguns terem esse bônus =P

    Ah! Interpretar parcialmente também conta XP parcial.

    _________________
    "A inconstância no ser: à inconstância, há inconstâncias."
    Igor
    Igor
    Narrador
    Narrador

    Mensagens : 620
    XP : 750
    Reputação : 14
    Data de inscrição : 26/10/2010

    Ver perfil do usuário

    Voltar ao Topo Ir em baixo

    Re: A Profecia do Corvo

    Mensagem por Convidad em Qua Abr 27, 2011 12:04 am

    Arrogante esplendor restou-se acima
    Enquanto as terras rachavam e iam.
    Vivendo apenas, porém, um ranzinza,
    Abaixo em morte, volúpia e cinzas.

    Neste trecho da profecia, creio que tenha ficado clara a citação as antigas cidades flutuantes Netheresas e do fim da baixa netheril. Esta parte deixa clara que restaria um sobrevivente, o ranzinza (Halaster).


    Se fores a mim, tristeza sombria,
    Contai-vos com o fim, por luz, por lida.
    Partida, pois fora, agora colhida
    A Estrela dos Magos, ferida e ida.


    Já este trecho parece deixar claro o refúgio de uma das cidades flutuantes, ( provavelmente a capital do reino de Netheril) para as sombras.

    Trazido estranho por passado escuro
    Levando à luz um mal desconjuro.

    Não tenho uma interpretação pra este trecho fora de contexto.


    Milhares de asas ao Sol baterão
    Na Espada, Espada, areia e vão.

    Não tenho uma interpretação pra este trecho fora de contexto.

    Uma vez atraída a míngua da sina,
    Será uma vez a noite em lamúrio.

    Isoladamente este trecho dá a ideia de algo sendo atraído para a tristeza total ou decepção, a referencia de noite faz imaginar se seria algo realmente obscuro ou se fala diretamente da noite ''real''. Em outras palavras, se é citada a cidade obscura ou a própria deusa Shaar.

    Chorastes agora a Moeda e a Púrpura,
    Quiçá resolvida a vida por luto.

    Tentei não me ater a palavra Luto e pensar nela no sentido figurado. Mas o trecho se torna sem sentido se o fizer. Então, isso me leva a pensar que trata-se da morte de alguém importante em algum lugar de Toril.


    Triste e ávido o breu na Espada,
    Auril2 aos choros, Istishia3 a embainha.
    Os grilhões, todavia, jaziam abertos,
    Os Antigos, outra vez, soltos, revoltos.

    Este trecho já faz com que a interpretação voe pra mais longe ainda. Auril é aliad de Umberlee, ambas divindades maliguinas e que , de certa forma, usufruiram da prisão de Ulutiul. Istishia é bem incompreensível quanto a seus objetivos. O que leva a crer que um aliado de Auril ( Umberlee ou uma outra divindade, a qual faz parte deste acordo mas que Auril não possa contar como conta com Umberlee ) tenha sido morta por Istishia ou pela arma do deus que a guarda novamente na bainha.
    Sendo que ''seres'' antigos antes presos e que agora, soltos , vagam por Toril a revelia.

    Porém, uma vez A Estrela roubada,
    Acende e se mescla à irmã e sua filha.
    Tomam caminhos, desconhecidos e loucos,
    Mas as mãos da perda os acolhem em ganância.

    Para este trecho tive que trazer um pouco dos acontecimentos atuais para compreender melhor. A copnclusão que tive foi a seguinte:
    ''A estilha deveria retornar para a cidade obscura onde se fundiria ou seria retivada pelo Mythallar da mesma. Onde é provavel que magos insanos e ganaciosos tentem a usurpar."

    Futilizam e entristecem,
    Traem e dançam.
    A dança da queda,
    Caem e balançam.

    O trecho acima dá a ideia de que coisas insanas podem acontecer apos esse processo. O que acredito ser a razão da queda da cidade(?).

    Os Arautos da Aurora se encontram:
    Aqueles libertos, atacam, clamam e ecoam atenção,
    Ao Vale Secreto, perdido, caindo.

    Aliados, a sombra e a luz retornam ao eclipse.

    Novamente citações que remetem aos deuses, A senhora da Aurora (Auril) e provavelmente sua aliada Umberlee em um combate com algum ser de poder igual ao de ambas ou superior em uma determinad localidade e dia.

    No auge do choro, A Estrela se apaga.
    Mas ainda assim, tristes e gritantes,
    Alguns beberão o que os Grandes verteram.
    Sua benção divina se perdeu por enquanto,
    Levando àqueles da saga o descontento.

    O fim da estilha ou finalmente a queda da cidade. O fim do combate onde parte do que se perdeu no confronto possa ser assimilado por qualquer um.

    Aliança das Coroas jubilam no tempo,
    Aliando a Dama Gelada em nevasca.
    Guiando a uma tumba, sorrindo em lamento,
    Ao amor de Othea4, outra vez, o descanso.

    Nesta parte ficou clara de que Utiluiu, vai ser levado de volta as geleiras.

    minha conclusão final é:
    a profecia previa o sequestro de Halaster, onde atravez de meios escusos determinad informação foi retirada da mente do razinza.
    Obscura fora envolvida de alguma forma, ou apenas citada.
    Mas o que interessa é que teria que levar a estilha a obscura pra reativa-la unindo-a a sua irmã maior, durante este proceso as coisas podem se complicar despertando assim o adormecido utiliul, onde este pode ver a chance de trazer sua amada de volta a vida (?), não se importanda de enfrentar Auril e Umberlee. Provável que alguém pereça pela lâmina de Istishia (quem?), a estrela se apagaria durante esse tipo de evento.

    E seria ai, que a mente por trás de tudo tentaria usurpar parte da divindade do deus caido e ascender como divindde.

    Essa é a interpretação parcial que fiz por hoje.
    Alguém tem algo a acrescentar ou mudar?

    Convidad
    Convidado


    Voltar ao Topo Ir em baixo

    Re: A Profecia do Corvo

    Mensagem por Igor em Qua Abr 27, 2011 2:58 pm

    Ah, eu fiz uma pequena edição na segunda parte da profecia. Nada que alterasse o seu sentido, mas adicionei uma explicação de algo que os personagens saberiam dizer o que é pelo simples fato de serem de Faerûn.


    "Arautos da Aurora4"

    4 Do original "The Dawn Heralds". São duas estrelas particularmente brilhantes que aparecem próximas ao nascer do sol e logo depois do pôr do sol. São chamadas de Anadia e Coliar.


    Última edição por Igor em Qua Abr 27, 2011 3:13 pm, editado 1 vez(es)

    _________________
    "A inconstância no ser: à inconstância, há inconstâncias."
    Igor
    Igor
    Narrador
    Narrador

    Mensagens : 620
    XP : 750
    Reputação : 14
    Data de inscrição : 26/10/2010

    Ver perfil do usuário

    Voltar ao Topo Ir em baixo

    Re: A Profecia do Corvo

    Mensagem por Igor em Qua Abr 27, 2011 3:12 pm

    Algumas dicas e lembranças, possivelmente perdidas, do jogo:

    * O clérigo de Helm Azon (Rusllann) compartilhou informações sobre um sonho que tivera. Nesse sonho, via a companhia andando em um deserto extenso e um eclipse solar ocorrendo.

    * A citação "Estrela dos Magos" aparece várias vezes ao longo da profecia, mas apenas como "Estrela".

    * O termo "A Espada", se conjugada com a ideia de deserto, traz em mente uma cadeia de montanhas do Anauroch chamada "Os Cumes da Cimitarra" ("The Scimitar Spires". Resultado de um teste de perícia obtido por Hurin)

    * Os termos "A Moeda" e "A Púrpura" são referências a Sembia e Cormyr.

    * Como as deusas Shar e Mystra são recorrentes na profecia, é válido ressaltar que a última é filha de Sêlune e Shar, que são irmãs gêmeas e grandes inimigas desde o início dos tempos.

    * Sangalor disse que o corpo do deus Ulutiu, bem como seu colar, supostamente descansam nas profundezas da Grande Geleira ("Great Glacier"). A lenda diz que seu colar mágico criou a geleira.

    * A dragoa espectral Miirym sugeriu que a profecia dizia sobre o derretimento da Grande Geleira.
    (Na época que eu interpretei ela, eu não tinha a segunda parte da profecia criada. Se quiserem mais informações sobre o que ela acha, sugiro que conversem mais com a dragoa. No entanto, lembro a vocês que serão sempre suposições.)

    * O termo "Aliança das Coroas" pode lembrar "A Aliança dos Lordes" ("Lord's Alliance"). Seu símbolo é uma "coroa com lordes". É um grupo formado pelas cidades ordeiras e boas do Norte e das Terras Centrais do Ocidente. Para mais informações, a interpretação é necessária! Smile


    _________________
    "A inconstância no ser: à inconstância, há inconstâncias."
    Igor
    Igor
    Narrador
    Narrador

    Mensagens : 620
    XP : 750
    Reputação : 14
    Data de inscrição : 26/10/2010

    Ver perfil do usuário

    Voltar ao Topo Ir em baixo

    Re: A Profecia do Corvo

    Mensagem por Conteúdo patrocinado


    Conteúdo patrocinado


    Voltar ao Topo Ir em baixo

    Voltar ao Topo

    - Tópicos similares

     
    Permissão deste fórum:
    Você não pode responder aos tópicos neste fórum